Laboratório Interdisciplinar de
Meio Ambiente

Centro de Tecnologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Av. Athos da Silveira Ramos, 149
Bloco I 2000, sala 208
Caixa Postal 68565
21941-611 - Cidade Universitária - Ilha do Fundão
Rio de Janeiro/RJ - Brasil
Tel/fax: 55 21 3938-8805

Coordenadas geográficas: 22°51'30.0715" S
43°13'53.7377" W

Criado em 1997 em resposta a um edital do Ministério da Ciência e Tecnologia para estruturar cursos de mestrado e doutorado na área ambiental, o Laboratório Interdisciplinar de Meio Ambiente da Coppe (LIMA/COPPE) percorreu uma trajetória surpreendente.

Leia Mais


Atividades Acadêmicas - Defesa de Teses e Dissertações


As teses e dissertações abaixo relacionadas, assim como outras já defendidas, poderão ser obtidas em formato PDF em www.ppe.ufrj.br.

MESTRADO

Aluno: Ana Carolina Oliveira Fiorini

Título: “A importância da madeira morta para estimar estoques de carbono em florestas degradadas: implicações para ações de Redução de Emissão por Desmatamento e Degradação Florestal”. 2012, Rio de Janeiro – COPPE/UFRJ. [Orientador: Emilio Lebre La Rovere]

Leia mais

Resumo:

A redução de emissão do desmatamento e da degradação florestal (REDD) foi formalmente reconhecida como uma medida de mitigação das mudanças climáticas. No entanto, colocar este mecanismo em prática é um processo complicado, no qual muitos desafios metodológicos ainda devem ser superados até que o financiamento possa ser baseado em resultados. Destaca-se a dificuldade de se estimar emissões consequentes da degradação que transformam o estoque de carbono armazenado nas florestas. O estudo de caso do município de Santarém investiga como a extração de madeira e o incêndio florestal alteram a biomassa aérea, dando maior foco a um componente normalmente negligenciado, a necromassa. Florestas sem marcas de degradação chegam a ter médias de biomassa aérea 50% superiores a quando o mosaico de distúrbios é incluído. Foi demostrado que a madeira morta é um importante componente do estoque de carbono e que a utilização de um percentual fixo da biomassa para calcula-la é inadequada, especialmente em florestas degradadas. Os resultados também apontam para maior necessidade de monitoramento nos primeiros anos após a ocorrência da perturbação.

Ocultar esse conteúdo

MESTRADO

Aluna: Patricia Turano de Carvalho

Título: “Balanço de Emissões de Gases de Efeito Estufa de Biodiesel Produzido a Partir de Soja e Dendê no Brasil”. 2012, Rio de Janeiro - COPPE/UFRJ. [Orientador: Emilio Lèbre La Rovere]

Leia mais

Resumo:

O uso do biodiesel em substituição parcial ao diesel de origem fóssil em meios de transporte rodoviário possui, entre outras finalidades, o objetivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) para a atmosfera. A maior parte ou totalidade das emissões de carbono provenientes de sua queima é anulada pela captura de carbono através do processo de fotossíntese realizado por plantas oleaginosas utilizadas na sua produção. No entanto, quando toda a cadeia de produção do biodiesel é levada em consideração, essa redução pode ser pequena ou até mesmo negativa. Nesse contexto, o presente trabalho comparou o biodiesel produzido a partir de soja com o biodiesel de dendê, de forma a verificar qual apresenta maior redução de emissões de GEE quando comparados entre si e ao diesel fóssil. As emissões estimadas para o biodiesel metílico de soja foram maiores que para o de dendê, mesmo quando a alocação das emissões entre os coprodutos da cadeia é considerada. Na comparação com o diesel, o biodiesel de soja apresentou um balanço de emissões negativo, com um aumento de 7,3% nas emissões quando a alocação não é considerada. O biodiesel de dendê apresentou um balanço positivo, reduzindo as emissões de GEE em 63,6%. Com a alocação por valor econômico, ambos apresentaram reduções em relação ao diesel, sendo de 36,0% para a soja e 66,6% para o dendê. Concluiu-se que, sob a ótica das emissões de GEE, o biodiesel de dendê representa uma alternativa mais promissora de produção de biodiesel para o Brasil se o cultivo dessa oleaginosa ocupar áreas degradadas disponíveis no país.

Ocultar esse conteúdo

DOUTORADO

Aluna: Martin Obermaier

Título: “Velhos e Novos Dilemas nos Sertões: Mudanças Climáticas, Vulnerabilidade e Adaptação no Semiárido Brasileiro”. 2011, Rio de Janeiro - COPPE/UFRJ. [Orientadores: Emilio Lèbre La Rovere/Luiz Pinguelli Rosa]

Leia mais

Resumo:

A agricultura familiar do semiárido nordestino (sertão) é fortemente afetada pelas atuais variabilidades climáticas e vulnerabilidades sociais. A mudança climática poderá agravar esses estresses através do aumento de déficits hídricos e de impactos adversos socioambientais. A adaptação à mudança climática no sertão, assim, é imperativa, mas existe ainda pouca concordância no que tange da definição de tais processos, na teoria ou na prática. Este trabalho discute as complexidades inerentes de adaptação em áreas de risco da mudança climática. Analiso os atuais esforços da política brasileira com respeito à adaptação e as suas possíveis limitações no contexto de cenários climáticos cada vez mais pessimistas (4°C +). Através da análise de dois estudos de caso localizados no estado da Bahia argumento que reduções de vulnerabilidade no curto prazo podem ser contrárias a uma resiliência socioambiental mais desejável da agricultura familiar no longo prazo. Uma adaptação sustentável à mudança climática, portanto, provavelmente dependerá de reformas políticas mais amplas para romper com os atuais processos socialmente exclusivos. Particularmente, a adaptação bem sucedida implicará ações concertadas em níveis locais, regionais e nacionais.

Ocultar esse conteúdo

DOUTORADO

Aluno: Eduardo Calixto

Título:“Contribuições para Plano de Contingência para Derramamento de Petróleo e Derivados no Brasil”. 2011, Rio de Janeiro - COPPE/UFRJ. [Orientador: Emilío Lèbre La Rovere]

Leia mais

Resumo:

A presente tese tem como tema Contribuições para Plano de Contingência para derramamento de petróleo e derivados no Brasil. Assim são propostos modelos para definir a melhor localização dos recursos de reposta à emergência assim como definição do número esperado de vazamentos de óleo de um empreendimento. Para definição da melhor localização dos recursos de resposta a emergência são propostos os modelos de centro de Gravidade e Hakini e para definição do número esperado de vazamentos de óleo é utilizado o Modelo Confiabilidade Ambiental. Inicialmente, faz-se uma introdução ao assunto, discorrendo sobre o problema a ser investigado e os objetivos a serem alcançados. É apresentada uma evolução histórica dos maiores acidentes de vazamento de óleo no Brasil e no mundo, assim como os impactos ambientais causados pela indústria do petróleo. Em seguida, são apresentadas as melhores práticas dos Planos de Contingência utilizadas em diversos países e alguns casos brasileiros de implantação de Planos de Contingência. A partir da análise crítica das melhores práticas, é proposta uma estratégia de implantação a partir da estrutura atual dos planos de contingências no Brasil. Para complementar, é feita uma proposta de estrutura e responsabilidades e um fluxo de comunicação de emergência. Por fim é feita uma conclusão e uma análise das perspectivas futuras para a implantação das contribuições aos Planos e contingências de Vazamento de óleo e derivados.

Ocultar esse conteúdo

Destaques

Projeto “A Carta do Sol”

Relatório Técnico para a Carta do Sol

Carta do Sol

Projetos Recém-Contratados


P&D para o Desenvolvimento de Metodologia para Subsidiar a Elaboração de Linha de Base para Cálculo das Emissões do Setor Elétrico (PPE 11795A)

WG Contracts Urban Peri-Urban (UPEA III) Energy Access (PPE 15043)

Apoio à Economia Verde: Propostas para uma Agenda Brasileira (PPE-15789)

Consultoria Técnica para a Realização de um Estudo Estratégico de Políticas Públicas em Área do Bioma Caatinga do Estado da Bahia (PPE-15973)

Relatórios e Projetos Recém-Finalizados

AAE Petrobras S.A.

Este relatório foi elaborado pela equipe técnica do LIMA/COPPE como produto final da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) do Programa de Investimentos da PETROBRAS no Estado do Rio de Janeiro. Envolve os empreendimentos PLANGAS, GNL e COMPERJ a serem implantados na área de abrangência da Baía da Guanabara, conforme estabelece contrato celebrado entre a PETROBRAS S.A. e a Fundação COPPETEC.

Leia mais

AAE Polo Mínero-industrial de Corumbá

Este relatório apresenta os resultados dos trabalhos desenvolvidos pela equipe técnica do LIMA/COPPE no âmbito da "Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) do Pólo Mínero-industrial de Corumbá e influências sobre a Planície Pantaneira".

Leia mais

Publicações Recentes

Artigo científico

CESANO, D., ROVERE, E.L.L., OBERMAIER, M., CORRAL, T., SANTOS, L., COELHO, N.S. & NEVES, C.G. 2012. As experiências da Coalizão Adapta Sertão na disseminação de tecnologias e estratégias de adaptação à mudança climática para o agricultor familiar do Semiárido brasileiro. Revista Brasileira de Geografia Física 6: 1336-1350.

Leia mais

Este artigo descreve a experiência da coalizão Adapta Sertão na experimentação e disseminação de sistemas produtivos que possam tornar o agricultor familiar do Semiárido mais resiliente aos impactos da variação climática atual e da mudança do clima no futuro. Atualmente, a adaptação à mudança do clima não está sendo considerada na implementação de obras hídricas de pequeno e médio porte. As experiências mostram que é preciso desenvolver, com urgência, políticas públicas inovadoras que consigam integrar o acesso à água com a disseminação de tecnologias de adaptação e de sistemas produtivos mais resilientes à seca.

Ocultar esse conteúdo

Artigo científico

BATISTA, N.N., ROVERE, E.L.L. & AGUIAR, J.C.R. 2011. Energy efficiency labeling of buildings: An assessment of the Brazilian case. Energy and Buildings 43: 1179-1188.

Leia mais

Este artigo se reporta à aplicação do “Energy Efficiency Rating Technical Quality Regulations for Commercial, Service and Government Buildings–RTQ-C”, tendo em vista verificar se o sistema convencional de construção de edificações se adequa aos seus requerimentos. Adicionalmente, é investigada a contribuição da rotulagem para reduzir o consumo de energia nas edificações.

Ocultar esse conteúdo

Artigo científico

CAVALCANTI, P.M.P.S. & ROVERE, E.L.L. 2011. Strategic Environmental Assessment of mining activities: a methodology for quantification of cumulative impacts on the air quality. Journal of the Air&Waste Management Association 61: 377-389.

Leia mais

A Avaliacao Ambiental Estrategica (AAE) no Brasil tem focado sobretudo projetos inseridos em contextos regionais. Muito embora requisitado pela legislação ambiental, a avaliação de impactos cumulativos não te sido considerados em projetos de AAE. O presente artigo apresenta uma aplicação metodológica para a quantificação da cumulatividade de impactos na qualidade do ar causada por atividades mineradoras.

Ocultar esse conteúdo

Capítulos de Livros

ROVERE, E.L.L., OBERLING, D.F., OBERMAIER, M., SOLARI, R. & WILLS, W. 2011. Redução de emissões. p. 276-299. In: MARGULIS, S., DUBEUX, C.B.S. & MACOVITCH, J. (orgs.). Economia da mudança do clima no Brasil. 1ª ed. Synergia. Rio de Janeiro..

Leia mais

Estudo desenvolvido por um consórcio de importantes instituições públicas e privadas para identificar as principais vulnerabilidades da economia e da sociedade brasileira em relação às mudanças climáticas, assim como avaliar a efetividade das medidas de mitigação em curso.

Ocultar esse conteúdo

Capítulos de Livros

ROVERE, E.L.L., BASTOS, D.N., SILVA, H.V.O., TEIXEIRA, I.M.V. 2009. Avaliação Ambiental Estratégica no Turismo. p. 173-202. In: PHILIPPI JR., A., RUSCHMANN, D.M. (orgs.). Gestão ambiental e sustentabilidade no turismo. 1a. ed. v. I. Manole Ltda. São Paulo.

Leia mais

O artigo analisa a utilização da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) como ferramenta de gestão ambiental para subsidiar o planejamento do setor de turismo no Brasil, face ao potencial turístico e ao crescimento acelerado da atividade. Neste contexto, a AAE mostra-se de fundamental importância para o estabelecimento de um processo de planejamento eficiente, capaz de incorporar os aspectos ambientais e sociais às decisões estratégicas e promover a articulação com outros setores, de forma a garantir a sua sustentabilidade.

Ocultar esse conteúdo

Capítulos de Livros

CARLONI, F.B.B.A., d'AVIGNON, A.L.A. & ROVERE, E.L.L. 2009. Overview of approved CDM projects in Brazil: Participation of national economic sectors and gaps. p. 77-88. In: SILVA DIAS, P.L., RIBEIRO, W.C. SANT'ANNA NETO, J.L. & ZULLO Jr., J. orgs.). 2009. Public policy, mitigation and adaptation to climate change in South America. v. 1. Record. São Paulo.

Leia mais

O artigo de Carloni e colegas faz uma avaliação dos projetos brasileiros de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) aprovados, evidenciando que existe potencial para vários setores da economia nacional adotar projetos dessa natureza. Atualmente, os projetos mais comuns estão restritos às áreas de energia e resíduos sólidos, em especial aterros sanitários. Porém, setores como agronegócios e florestas apresentam grande potencial, ainda que existam barreiras administrativas e metodológicas a ser transpostas.

Ocultar esse conteúdo